Maurício Virgulino


Educomunicador, Arte/Educador e Fotógrafo. É Doutorando e Mestre (2016) em Artes pela ECA/USP; sua pesquisa analisa as relações e contribuições entre a Educomunicação e a Arte/Educação. E, especialista em Mídias na Educação pelo MEC (2013). Licenciado em Educomunicação pela ECA/USP (2016) e radialista graduado pela Universidade São Judas Tadeu (2002).


Sócio-fundador da ABPEducom, colaborador do NCE/USP, docente do curso "Educomunicação: Conceitos, Práticas e Gestão" organizado pela ABPEducom (2017 e 2018), e formador do Núcleo de Educomunicação da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (2018) e também educador na exposição Bancos Indígenas do Brasil do Pavilhão Japonês/Parque do Ibirapuera (2018). Ministrou curso de Produção e Educação Audiovisual para adolescentes pelo programa Mais Educação na EMEF Des. Amorim Lima durante o ano de 2015. Foi um dos educomunicadores do projeto Seres Imaginários desenvolvido no projeto de extensão "Atelier de Artes para Crianças" do Departamento de Artes Plásticas da ECA/USP em 2015. Coordenou equipe de adolescentes no projeto Virando a Calçada da Viração Educomunicação em 2014. Fez parte da equipe CENPEC, atuando como Educomunicador na formação de professores da rede municipal de São Paulo, no projeto Escolas que Inovam durante o ano de 2013. Em 2012, também pelo CENPEC, foi técnico em Educomunicação no projeto Acessa Legal, na formação de jovens monitores de salas de informática de escolas da rede estadual de ensino.
 

Ministra cursos de fotografia digital, analógica e alternativa para crianças, adolescentes, jovens, adultos e terceira idade no CCJ, Museu de Imagem e Som (MIS), Clube do Analógico, ECA-USP, Projeto Escolas que Inovam, Fábricas de Cultura, Clube do Analógico e SESCs.
 

Possui trabalho de fotografia autoral, expondo com o PinRolê, coletivo de fotografia Pinhole (2017/2018), com o Imagineiro, com fotografias em placas úmidas de colódio (2017/2018) e no Foto_Invasão 2018, com a instalação "Me Fere".

 

Atua como Conselheiro Fiscal na Associação Sabiá.

VOLTAR